segunda-feira, 21 de março de 2011

Santo de casa



Está para surgir mais um "santo" em nosso Brasil. Trata-se do advogado Franz de Castro Holzwarth, católico fevoroso, que se dedicava a catequizar os presos. Não se nega o mérito do advogado, de tentar ressocializar os presos, embora não concorde com a postura de sua religião. O fato é que o advogado foi morto durante uma rebelião de presos em uma delegacia do município de Jacareí, no estado do Rio de Janeiro, há 30 anos atrás. Em uma matéria publicada a respeito do processo de beatificação do advogado no jornal  capixaba  "A tribuna", do dia 20 de março, no caderno "Jornal da Família", pag.3  podemos ler a opinião de Antônio Flávio  Pierucci , professor de sociologia da USP e autor do livro A realidade social das religiões no Brasil : "Os santos são um trunfo da igreja católica; O catolicismo te dá santos e na prática, funciona como um "politeísmo(grifo nosso). Quando muda de religião, o fiel perde esse exército. O santo é um dispositivo de fidelização". Em outro trecho lemos: "A santificação de alguém como Franz de Castro Holzwarth, aparentemente gente como a gente, pode soar impossível, mas não é . Desde os anos 80 , sob a interferência do papa João Paulo II , a igreja católica descomplicou os processos de canonização e deu o título a religiosos e civis com diferentes perfis. Para se ter uma idéia de como "a fábrica de santos"(grifo nosso) do vaticano passou a funcionar com agilidade, das 784 santificações aprovadas pela Santa Sé , 482 se deram no pontificado de João Paulo II. [...] Hoje, estima-se que dois mil processos de canonização corram no Vaticano. Franz não é o único brasileiro - há pelo menos  três dezenas de outros nomes para serem avaliados pela Santa Sé."
Em Barra do Piraí, já são distribuidos santinhos e  são comuns as peregrinações no cemitério em busca da sepultura do "santo " carioca, para que ali se façam suas orações e pedidos ao "santo".
  Notaram ou alguma semelhança de tais práticas acima descritas com as  religiões de origem africana, que buscam contatos com mortos? Será certo tentar que algum "santo" intermedie nossas orações para Deus? Será certo alguém se declarar devoto desse ou de outro santo, lhe acender velas, prestar-lhe orações, reverências e se ajoelhar diante de sua fotografia ou imagem?  Algum santo tem poder para conceder alguma graça? Isso, de venerar santos, têm algum respaldo bíblico?  No livro de Deuteronômio 18.10-12, vemos o que Deus acha de quem pratica tais coisas: Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; Nem encantador , nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor; e por essas abominações o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. Deus abomina. Proíbe veementemente que isso ocorra pois só Ele é Deus , digno de toda a honra e toda a glória. Em outro livro bíblico o de Eclesiastes Capítulo 9 versos 5 e 6 lemos: Por que os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. Também o seu amor, o seu ódio , e a sua inveja já pereceram, e já não tem parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol. Vejamos também o que temos em Ec9:10 : Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. No livro de Lucas, podemos ver claramente a separação entre o mundo dos vivos e o dos mortos, na parábola do rico e Lázaro: Lc 16: 26 E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam , nem tampoucos de lá passar para cá. Ora, se o próprio Senhor diz que os mortos não sabem de nada, para que serve orar para eles, ajoelhando-se diante de imagens e fotografias? Isso é idolatria? Sim, e é algo extremamente perceptível até para um leigo: Multidões se ajoelhando diante de imagens e lhes oferecendo “orações e rezas” , levando flores, acendendo velas, fazendo promessas, o que é  se não idolatria? O profeta Daniel foi atirado à cova dos leões por se negar a adorar o Rei Dario, e Deus lacrou a boca dos leões.(Dn 6). No livro de Êxodo, o próprio Deus Entregou a Moisés as tábuas do Dez mandamentos onde dizia: Eu sou o teu Deus , que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outro deuses diante de mim .Não farás para ti imagens de escultura , nem alguma semelhança do que há acima dos céus , nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra; Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque Eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. O livro de Gálatas também lista as coisas que desgradam a Deus Gl 5:19,20: Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: Adultério, prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a essas, acerca das quais vos declaro , como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas, não herdarão o reino de Deus. 
Sendo assim , qual é a vantagem de ter mais um santo para a adoração no Brasil?

 Everson Leal

Fontes: Jornal A tribuna,20 de março de 2011, caderno Jornal da família, pag 1,2,3 . 
Enderço eletônico:

Nenhum comentário:

Postar um comentário